Vias de comunicação entre os mundos analógico e digital

Museum of London - Nokia NFC

“Há já alguns anos que o quotidiano das pessoas foi invadido por um novo objeto, o telemóvel, que veio tomar um lugar de destaque óbvio, sendo considerado por muitos, um dos objetos pessoais mais importantes. O telemóvel, por apresentar características como portabilidade, facilidade de uso, criação de um canal de comunicação de voz e dados sempre acessível, permitir guardar informação de forma central, entre outras, faz dele um objeto pessoal usado globalmente e do qual as pessoas raramente se separam no seu dia-a-dia.” [1] (Simões, 2008)

Se os telemóveis já se tornaram uma espécie de controlo remoto, ainda falta adaptar o mundo offline em que vivemos para que ele responda de maneira personalizada. Hoje, uma das tecnologias que já faz a ponte entre os mundos offline e online é o QR Code [2], tendo uma pesquisa recente indicado que unicamente 19% dos consumidores com smartphones têm o hábito de o usar. O que não é uma surpresa, já que, apesar de comportar possibilidades interessantes, convenhamos, não é uma experiência que eu como utilizador considere das mais espantosas. O QR Code foi desenvolvido para fins industriais, mas, hoje em dia, ele é usado como atalho para chegar a informação sobre determinados assuntos. Por exemplo, sites de notícias online, informações sobre empresas ou produtos online e mesmo donwloads de programas informáticos. Hoje em dia existem inclusive sites que facilitam a criação destes códigos para os mais diversos fins.[3]

No entretanto, novas tecnologias estão em constante desenvolvimento para a integração do mundo offline com o online sendo que, nos próximos anos, a mais bem posicionada será a tecnologia NFC (Near Field Communication) [4], pois permite uma troca de informações mais rápida e mais segura. As conexões são rápidas porque não é necessário introduzir códigos para verificação. O potencial de NFC em indústrias orientadas para o consumidor é ilimitado, visto que as tags [5] passivas podem ser aplicadas à publicidade interativa, atingindo um grande grupo de clientes a um custo relativamente baixo. Atualmente, existem cerca de 44 milhões de aparelhos com a tecnologia NFC nas ruas pelo mundo fora, mas nos próximos anos estes números deverão disparar de forma vertiginosa. E se o rebuliço é grande em relação à possibilidade de se fazer pagamentos [6], já presentes em alguns países, as discussões em torno da expansão de interação e geração de experiências para outro tipo de utilidades [7], iniciativas e eventos ainda estão a dar os seus primeiros passos.

A saber, a meio deste ano, o Museu de Londres [8][9] juntou-se à Nokia [10] e espalhou uma série de tags ativadas por NFC que permitem aos visitantes do Museu compartilhar informação com apenas um toque no telemóvel, além de aceder a conteúdos extra sobre as exposições, fazer pagamentos, instalar aplicativos e mesmo criar links para as redes sociais.

Em jeito de balanço provisório da iniciativa, visto ainda ser recente o seu uso no Museu de Londres, facilmente se depreende pelas palavras de um responsável de comunicação do Museu [11] que o sucesso da iniciativa será uma realidade.

Enquanto os telemóveis dotados da tecnologia NFC ainda não se popularizam, a tecnologia RFID (Radio-Frequency IDentification) [12], sua parente próxima, com mais alcance e distância, tem cada vez mais surgido em iniciativas e eventos de grandes marcas. A StarHub Online Music Store, por exemplo, queria criar maior envolvimento com o público jovem e aumentar o número de downloads. Para isso, criou, em parceria com algumas marcas conhecidas, provadores de roupa com som ambiente variável: a pessoa entrava para experimentar uma roupa (que tinha um chip RFID nas etiquetas) e, de acordo com o tipo de roupa, modelo e estilo, recebia sugestões musicais que escutava enquanto provava as roupas [13].

Houve outras iniciativas, como foi o caso da Coca-Cola [14], que também já explorou as possibilidades num parque de diversões de Israel [15], em que os visitantes usavam pulseiras com RFID integradas com o seu perfil no Facebook. Enquanto eles se divertiam em algumas atrações, bastava passar por um sensor, que publicava o sucedido na rede social. O único inconveniente é que estas iniciativas dependem de um chip que pode estar numa pulseira ou até num adesivo, o que funciona bem em eventos, mas não no dia-a-dia das pessoas.

Imagine-se o fim dos cartões quando os telemóveis com NFC se popularizarem. Por exemplo: um aplicativo nas lojas de roupas pode guardar as suas informações e preferências, tais como as medidas do seu corpo, e com um simples tag a loja vai conseguir sugerir-lhe produtos e tamanhos disponíveis, tudo o que nós já conseguimos fazer há algum tempo nas lojas online. As possibilidades são infinitas, as redes sociais, a indústria, a publicidade, o comércio, os serviços e o lazer, no limite será ainda possível desmaterializar o dinheiro tal como o conhecemos e, em simultâneo, proteger o ambiente [16][17] E, quem sabe, se não é de considerar a possível aplicação ao mundo da arte e da cultura, interligando e criando novas pontes entre os mundos analógico e digital. O limite é a imaginação…

A revolução está em marcha e a agenda dos investigadores [18] não tem pausas para colocar esta tecnologia no topo das novidades tecnológicas que marcarão de forma categórica as vias de comunicação entre os mundos analógico e digital…

Print 1

Print 2

Print 3

Print 4

Bibliografia e Webgrafia

[1] Simões, Diogo (2008). Sistema de Fidelização sobre NFC (Near Field Communication). [online] [Citação: Pág. 7]

https://dspace.ist.utl.pt/bitstream/2295/232852/1/dissertacao.pdf

[2] – http://pt.wikipedia.org/wiki/QR_code

[3] – http://www.qrstuff.com/

[4] – http://www.ecma-international.org/activities/Communications/2004ga-067.pdf

[5] – http://pt.wikipedia.org/wiki/Tag_(metadata

[6] – http://www.youtube.com/watch?v=aEurC8AUB2Y&feature=endscreen&NR=1

[7] – http://www.youtube.com/watch?v=uFWl_-Qae38

[8] – http://www.museumoflondon.org.uk/Explore-online/NFC.htm

[9] – http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=QomvjLhYbEo

[10] – http://europe.nokia.com/nfc

[11] – http://www.youtube.com/watch?v=5_8exhLXhhc

[12] – http://www.aimglobal.org/technologies/RFID/what_is_rfid.asp

[13] – http://adsector.net/2011/12/24/starhub-online-music-store-musical-fitting-room/

[14] – http://www.thesocialmediabloke.com/facebook-rfid-tracking-coca-cola-amusement-park/

[15] – http://vimeo.com/29725279

[16] – http://tag.microsoft.com/community/blog/t/understanding_the_possibilities_of_nfc.aspx

[17] – http://www.tech2go.in/2011/12/nfc-technology-complete-guide-possibilities.html

[18] – http://www.nfc-research.at/

José Manuel Costa

Tags: , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: