A experiência do Historium na construção de narrativas ficcionais por processos artísticos reveladores da Identidade

«(…) os objetos de arte fornecem, essencialmente uma experiência imaginativa tanto para os produtores, como para o seu público. (…) O mesmo pode ser dito de qualquer história bem contada, quer esta seja mitológica ou uma história pessoal. (…) Daí que a experiência artística tem lugar no teatro da imaginação.»

(DUTTON: 102)

«Uma experiência mágica na Idade Média», assim se dá o mote para o projecto Historium. A proposta para uma VIAGEM NO TEMPO, até à época de ouro da Idade Média, tem tanto de real como de ficção, conjugando ambas numa experiência que estimula os 5 sentidos e apela a toda uma panóplia de aspectos artísticos, digitais e tecnológicos para a sua concretização.

Tomando por base um quadro do pintor Jan van Eyck, o recém-inaugurado Historium, em Bruges, na Bélgica funciona como um ‘museu’ nascido para contar uma ficção, enquadrando o contexto temporal da pintura, na cidade e sociedade de então (século XV), retratando a cidade no contexto da vivência urbana, caracterizando-a na Arquitetura, habitantes e seus modos de vida. Recorre, para isso, a uma ORIGINAL FORMA EXPOSITIVA, em que a comunicação assenta na criatividade da utilização de tecnologias cinematográficas de ponta e outras sensoriais para recriar ambientes.

A Virgem com o Cónego van der PaeleA partir de uma obra de arte de Jan van Eyck – “A Virgem com o Cónego van der Paele” (1434-1436) que pode ser vista ao vivo no Groeningemuseum – as figuras retratadas ‘ganham vida’ para encarnar nas personagens da ficção do Historium. O próprio mestre Jan van Eyck, abre (literalmente) as portas do seu atelier, partilhando as suas práticas artísticas com o público, surgindo nesta ficção com o exótico turbante com que se auto-retratou outrora.

Jan van Eyck no HistoriumO ELENCO do Historium tem como figura central a personagem de Anna, a modelo alegadamente contratada para a alusão à pintura original da Madona com o menino, a musa que inspiraria o pintor para a realização desta encomenda de van der Paele. A beleza de Anna claramente impressiona Jacob, o jovem aprendiz e ajudante de van Eyck, cujos honestos intentos profissionais ficariam suspensos a partir do momento em que se cruza com Anna. Tudo o que passava por uma simples missão – receber Anna no porto de desembarque, levando-a até ao atelier do mestre pintor, juntamente com o papagaio verde para a ‘montagem’ do quadro – se tornam num desafio complexo para Jacob. Frederico, o papagaio verde, porém, parece encontrar também ele o seu par, um papagaio vermelho fêmea, cuja presença sobrevoa esta ficção em várias fases deste(s) ROMANCE(S).

Folheto HistoriumRomance este, que é adensado pelo MISTÉRIO com que vão sendo reveladas estas personagens, numa mistura de ‘ingredientes’ cuja universalidade contribui, claramente, para a CREDIBILIZAÇÃO desta PRODUÇÃO MEDIÁTICA, aumentando a aura mística do legado patrimonial e sociológico que tão bem caracteriza Bruges

«(…) a maneira simbolista põe em relação heterogéneos e constrói pequenas máquinas por via da montagem de elementos sem nexo entre si. (…) a maneira dialética visa, com o choque dos diferentes, o segredo de uma ordem heterogénea, a maneira simbolista junta os elementos na forma do mistério. Mistério não quer dizer enigma ou misticismo. Mistério é uma categoria estética (…) uma pequena máquina de teatro que fabrica analogia (…)».

(RANCIÈRE: 79)

Nesta experiência contemporânea, permite-se um embarque profundamente atual nesta viagem, quase como se uma espera do metro se tratasse, em que a cada 5 minutos a porta se abre, correndo para cima e libertando fumo para o exterior, com a espectacularidade de um mistério encenado, como que um convite à emersão na própria história. As escadas de acesso ao primeiro piso introduzem já elementos da época, como são as malas, com o simbolismo próprio de uma VIAGEM NO TEMPO, deste “rendez-vous” com a história, conforme é promovido.

«A narração de histórias é um espelho da experiência social quotidiana e diária: de todas as artes, é a mais adequada para retratar as mundanas estruturas imaginativas da memória, perceção imediata, planeamento, cálculo e tomada de decisões, tanto experienciando-as por nós próprios como pela nossa compreensão da experiência dos outros. Mas a narração de histórias também é capaz de nos levar para além do comum e é neste aspeto que reside a sua capacidade de ampliação mental.».

(DUTTON: 201)

Esta forma de “teatralizar” a ficção, é transposta para o espaço do edifício através da sequência de cenas em que é trabalhada a ação, com uma duração aproximada de 35 minutos, numa sequência guiada áudio multilingue distribuído aos visitantes, amplificando os efeitos sonoros.Sequência da exposição do HistoriumAo longo de 7 salas temáticas, os visitantes usufruem da perspectiva voyearista das várias cenas da ação, presenciando cenários diversos como o do porto (onde Jacob espera Anna), o atelier do artista (onde Jan van Eyck aguarda impacientemente os modelos Anna e Frederico, sob a espera de van Pear que repousa num cadeirão até à sua entrada em cena), o edifício alfandegário (onde Jacob desespera pela resolução dos seus problemas), a sala de refeições, a sala de banho (onde Jacob revê ou imagina rever Anna), o passeio de Anna e Jacob pelas ruas de Bruges, enquanto os papagaios celebram o reencontro num namoro à bolina dos ventos…

Cada uma das salas é trabalhada para estimular os sentidos de uma forma particular – e quando não são realmente experienciados os sentidos, são, pelo menos, evocados. Assim, a abertura do atelier de Jan van Eyck ao público do Historium permite perspetivar os modos de trabalho do artista daquele tempo, com toda a logística que caracterizava o espaço. O Cónego van der Paele, num molde robotizado com aspeto de cera, repousa com a serenidade de uma respiração simulada. As salas possuem um ou vários ecrãs, alternado visualizações individualizadas ou com a dimensão de sala de cinema (VISÃO). Todos os cenários são plenos de peças passíveis de serem tocadas que extravasam as 2 dimensões do projectado, tornando palco da ação o espaço onde se movimentam os visitantes (TACTO). Esta dimensão é, logo após aos efeitos visuais e sonoros a mais complexificada, na medida em que atua pela artificialidade própria da simulação de efeitos como o do vento, por exemplo, para ilustrar o voo dos papagaios sobre a cidade de Bruges de 1435. Na última parte desta viagem reveladora da IDENTIDADE deste museu da cidade, cuja visita é revelada do interior para o exterior, não é deixado de fora o sentido do OLFACTO e do PALADAR, permitindo usufruir dos sabores típicos das comidas e bebidas belgas, no bar e loja gourmet de passagem obrigatória. Haverá melhor maneira de terminar esta viagem, senão apelando às vontades mais intrínsecas e viscerais do ser humano?

Bar HistoriumBar exterior do Historium(fotografias: autora)

O cenário retratado na película é, no final, passado para a dimensão real, com usufruto dos espaços do edifício original, incluindo balcões de vista privilegiada para a praça do comércio – Grote Markt – onde se localiza o Waterhalle – edifício que aloja o Historium. Integrado na praça original e cujas marcas do passado é possível sentir, a Arquitetura do edifício consegue, mais uma vez captar os sentidos, embrenhando-nos algures entre passado e presente, fazendo-nos sentir parte da história.

Vista desde o Historium sobre a praça Grote Markt(fotografias: autora)
HISTORIUM_visit_bruges.be(Watterhalle, Grote Markt, Brugge)
Grote Markt (1435)(Watterhalle, Grote Markt, Brugge – Séc. XV)

Não parece ser coincidência a localização do museu neste centro urbano COMERCIAL, que já o era no século XV. Na verdade, há todo um sentido promocional deste projecto, entendido quase ao jeito de MERCADORIA, ao ser publicitado como “atração”, promovido à boa maneira de um filme de sucesso, mas prometendo um espectáculo multisensorial muito mais completo! Primeiro com o teaser, depois com o trailer, a ficção do Historium consta já da base de dados IMDB. O site e o folheto apresentam-se como extensões promocionais desta proposta, sendo que em todos os sites da cidade o Historium se revela atractivo pela multiplicidade de experiências que promete. Talvez porque,

«A cultura integralmente convertida em mercadoria deve tornar-se também a mercadoria-vedeta da sociedade espectacular

(DEBORD: 123)

Daí que, consoante o agente de intervenção no processo criativo do Historium, o enfoque seja distinto. Em STORIFY, Kene Illegems (Art Director/Director), reforça o lado do romance histórico; «We are creating a magical experience that will excite all of your senses» é como Matthias Closterman (Design & Production Manager), faz apologia da multisensoralidade; «Film, scenery, music and special effects all work together to create a fusion of history and romance» com que Chris Mascarello (Computer Graphics Supervisor) resume a conjugação das artes e que fazem deste lugar um verdadeiro centro de cultura “vivo” – tal como o é, em escala superior, a própria cidade de Bruges. Qualquer uma destas perspectivas acrescenta ao Historium aspectos distintos, mas simultaneamente compatíveis e legítimas, que amplificam a esfera da experiência em si: «Experience a touching love story that brings you back to the Middle Ages. Based on historical facts and research».

Em todo o caso, e inegável o seu contributo para reforçar a IDENTIDADE da cidade ou, pelo menos, faze-la ser compreendida e “sentida” consta ser a sua missão. Na sua essência, a captação da realidade passada (ou ficcionada) é o resultado da pesquisa e processo produtivos de ponta, como se dá a conhecer no making-of.

Na verdade, a experiência do Historium é completada no final do percurso expositivo (antes dos bares, loja gourmet e bookshop), com a tradicional exposição descritiva da simbologia apresentada nas acções. A cronologia interpreta a evolução da cidade até aos dias de hoje, com mostras da componente arquitectónica e construtiva da altura e como foi aqui recriada, recorda os eventos mais caracterizadoras da Europa nesse período e revela uma minuciosa e complexa investigação previa resultando da interpretação semiótica da obra de Jan van Eyck.

Exposição final 1Exposição final 2Exposição final 3Exposição final 5(fotografias: autora)

Toda a representação de Jan Van Eyck é simbólica, se interpretada à luz de vários níveis, mais ou menos discutível. Contudo, é inegável o valor manifestamente simbólico dos detalhes deste quadro e de outros do mesmo autor, onde a técnica de óleo revela uma série de detalhes eximiamente captados por van Eyck.

O mais curioso é que o sentido simbólico caracterizador do estilo do pintor, acaba por ser mimetizado na apresentação dos detalhes que ‘pintam’ esta narrativa, onde as cores, as pessoas, a Arquitetura, os animais,a indumentária e acessórios são ‘dissecados’ à luz da tradicional exposição que apresenta os resultados de pesquisas histórias e todo o making-of da história. Assim sendo, poder-se-ia dizer que tanto o legado simbólico de Jan van Eyck, como a experiência da reconstituição fictícia do Historium são profundamente inspiradores para a construção do imaginário social de toda uma época passada que justifica de todo o presente da cidade. Nesse sentido, Jan van Eyck torna-se também ele simbólico protagonista enquanto produtor da experiencia do “fazer sentir”.

Os aspectos de verosimilhança do quadro de Jan van Eyck são aqui reapropriados enquanto “base de dados” fidedigna para a construção de uma narrativa ficcional. A apropriação por processos digitais e tecnológicos pode, então, ser entendida como processo artístico e comunicativo. A missão do Historium em contemporaneizar a história como modo de esclarecer a identidade da cidade de Bruges – na história, Arte, modos de vida – é, assim, claramente constitutiva da IDENTIDADE que autojustifica a sua existência.

 «pode ver-se como a arte se alimenta de toda a civilização do seu tempo, refletida na irrepetível reação pessoal do artista, e nela estão presentes as maneiras de pensar, viver e sentir de toda uma época, a interpretação da realidade, a atitude perante a vida, os ideais e as tradições e as esperanças e as lutas de um período histórico», citando Luigi Pareyson, em “A definição da arte” de Umberto Eco (página 34).

Por outro lado, «A eficácia dessa representação, tal como de outras que a secundam ou se lhe contrapõem, mede-se pela capacidade de renovar uma narrativa a partir de imagens reconhecidas e legitimadas, de tal forma que o efeito novidade, podendo ser ilusório, seja capaz de convencer aqueles a quem se dirige.» (CUNHA: 166)

A experiência do Historium deve, então, ser entendida como uma hipótese para a recuperação de obras artísticas, de valor simbólico efetivo, mais valiosas por trazerem à luz da actualidade valores conceptuais e históricos que só revalorizam a própria dimensão cultural da obra.

Entender não a «obra de arte enquanto realidade isolada (objeto ou manifestação), mas o conjunto de etapas da sua criação e da sua recriação à medida que as pessoas a descobrem e apreciam.» (BECKER: 187)

Apesar de não ser nova, esta abordagem da obra de arte antiga recontextualizada (como acontece, por exemplo, no filme d’«A rapariga do brinco de pérola», embora sem a dimensão de ESPETÁCULO HIPERMÉDIA que o Historium proporciona; ou na recuperação da acessibilidade à arte com o Google Art Project) numa abordagem complexificada e enriquecida com os pormenores multissensoriais que caracterizam o nosso tempo, onde a obra original torna-se também objecto do presente, sendo que, como afirma Becker, « A obra continua a existir enquanto subsistirem as ideias que ela veicula.» (BECKER: 191).

O Historium adiciona pontos à comunicação em espaços expositivos pois, além da tradicional exposição dos temas toda uma nova forma de comunicar, modelando com “arte” a história e transpondo-a para o nosso tempo, tirando partido dos meios artísticos e criativos disponíveis na atualidade. Não querendo promover como única esta vertente, mas como uma possibilidade em crescente potencialidades a serem descobertas na construção das identidades e imaginário e na reificação da memória coletiva.

A experiência do Historium afirma-se, assim, com extrema importância no contexto dos processo sde fruição da arte pelo tempo e pelo espaço e nos processos de comunicação da história pela arte, onde se pode ver reflectida a proposta apelidade por Ana Lisa TOTA da «arte como tecnologia da memória», seja a Arte aqui entendida enquanto fim ou enquanto meio de comunicação de uma mensagem. Talvez porque à semelhança da obra artística de Van Eyck, o Historium explora a multisensoralidade dos meios atuais em toda a sua dimensão simbólica, acentuando o seu valor cultural, proporcionado uma verdadeira VIAGEM PELA CULTURA:

«(…) there are myriad interpretative ‘frames’ which can provide diferente but always partial understandings about art, and that their use in art museums is part of the production of knowledge about art and art history. (…) Like bounded spaces within the map, each with their own rules for representation, individual framings of objects (for exemple through Wall and audio texts) form the means of navigation through culture

(WHITEHEAD:  53)

 «A principal characteristic of art museum cartography is the focus of interpretation on works of art as objects which embody the history of art, a product-based approach where objects are understood as outcomes of the creative act – as products. This tends to hide from view the role of process within the production of such objects and the role of such objects and the role of such objects in artistic and other social processes. The issue is a historiographical one about how to map art contextually. It bears on the relative merit of questions about the transcendente, transhistorical status of art or the place of art as representation of and elemento within specific cultural and historical moments and processes.».

(WHITEHEAD:  36)

 

Conclui-se da experiência do Historium a amplitude crescente das novas potencialidades criativas, partindo da arte para construir com arte, modelando a história e retratando sociologicamente qualquer era da história da Humanidade, num processo que ultrapassa a dimsenão expositiva tradicional (do mero espectador), de encontra às potencialidades performativas dos novos meios comunicativos e atísticos em contexto de museu, em que se passa do ver ao sentir, pois que,

«(…) quando se fala de organismo artístico, se deve entender um fenómeno especial de comunicação, no qual uma determinada experiencia histórico-social coletiva é levada, através da mediação determinante e personalizante de um formador a uma pregnância especial, a uma condição de harmonicidade que a torna insubstituível e intraduzível mas que, em vez de a isolar, a apresenta como uma contração orgânica, aberta e reveladora, de toda uma experiência. »

(ECO, 42)


Trabalho de «Sociologia e Semiótica da Arte» de Ana Vilar (PG21715)

 

Referências bibliográficas e/ ou eletrónicas:
BECKER, Howard S. (2008) Mundos da Arte, Lisboa: Livros Horizonte
CARVALHO, Joana / RAPOSO, Rui (2012) «O potencial dos social média como ferramenta de comunicação dos museus com o seu público através do digital» in Revista Comunicando, v.1, n.1.
CRUZ, Maria Teresa Cruz (2000) Da nova sensibilidade artificial in http://bocc.ubi.pt/pag/cruz-teresa-sensibilidade-artificial.html
CUNHA, Luís (2008) «Configurações espaciais e regimes de pertença» in Comunicação Intercultural – perspectivas, dilemas e desafios
DEBORD, Guy (2012) A Sociedade do Espetáculo, Lisboa: Antígona.
DUTTON, Denis (2010) Arte e instinto, Rio de Mouro: Círculo de Leitores
ECO, Umberto (1995) A Definição da Arte, Lisboa: Ed. 70
MURRAY, James M. ( 2004) Bruges, The Cradle of Capitalism 1280-1390, Cambridge
RANCIÈRE, Jacques (2011) O destino das imagens, Lisboa: Orfeu Negro
TOTA, Anna Lisa (2000) A Sociologia da Arte: Do Museu Tradicional à Arte Multimédia, Lisboa: Editorial Estampa
WHITEHEAD, Christopher (2012) Interpretating art in museums & galleries, London: Routledge

.

http://www.historium.be (site oficial do Historium)
http://www.jhna.org/images/pdfs/optical-symbolism-optical-description.pdf (sobre o quadro)
http://www.jeffreyvanhoutte.be/photo.php?photo_id=242& (cast “Liquid”)
http://www.imdb.com/title/tt2274052/fullcredits (IMDB)
http://belgiumshock.blogspot.pt/2012_11_01_archive.html (blog)

Tags: , , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: